Renata Miguel da Silva
*08.02.1998    +01.11.2013

Quinze anos estudante exemplar, filha obediente que nunca deu trabalho aos pais, atleta de ginastica rítmica com sonho de ir as olimpíadas, de terminar o segundo grau e entrar para a faculdade de educação física, teve seu futuro e sonhos ceifados quando somente o que queria era ir a um salão de cabeleireiros.

Renata Miguel pediu para ir a um salão de cabeleireiro próximo de sua casa para arrumar o cabelo, pois tinha no dia seguinte ia a uma festa de halloween com os amigos e estava muito animada, mas não sabia que estava indo de encontro a uma tragédia, que viria a marcar sua família e tirar sua vida.

Como passou muito do horário que deveria voltar sua mãe Angelita ficou preocupada, mas Renata ligou dizendo que estava num lugar escuro fechado, mas logo uma mulher pegou o celular e desligou. Angelita neste momento tentou ligar, mas o celular não atendeu, procurou o cartão do salão ligou, mas este também não atendeu e ai foram até o endereço do salão, mas este se encontrava fechado. Renata já estava em poder de um casal que aliciava menores. Ficou mantida em cativeiro, mais tarde foi constatado que este casal usava outras jovens para trazer adolescentes para o salão e davam o chamado “Boa Noite Cinderela”, ai com a jovem desacordada praticavam todo tipo de abuso. Constatou-se posteriormente em laudo pericial, de edema pulmonar agudo causado por substancias ilícitas e cocaína.

Angelita e Cristiano, pai da Renata, foram à delegacia, mas foi informada que não poderiam registrar o boletim de ocorrência de desaparecido com menos de 24 horas. Era véspera de feriado de 2 de novembro. No dia 2 de novembro foram novamente a delegacia, mas foram informados que não havia escrivão de plantão para registrar o BO uma vez que era feriado. Eles fizeram o registro do BO pela internet e começaram a procurar pela região. No dia 3 de novembro, um domingo, eles descobriram o endereço do casal dono do salão e foram até o local, mas estava fechado e o dono do imóvel que era locado insistiu que o casal não se encontrava na casa. Como Angelita disse que não iria sair do local, o dono do imóvel passou uma corrente com cadeado no portão do mesmo. Voltaram a delegacia, dizendo saber o local do cativeiro, mas o policial disse para se acalmarem e esperar que não era por um pressentimento dos pais que se podia ter motivo para invadir uma residência. Como não obtiveram uma ação da polícia e após buscarem por Renata sem sucesso o casal se dirigiu a uma delegacia em São Paulo, já que o desaparecimento foi em Mauá, e lá com muita insistência, isso no quinto do ocorrido. A polícia concordou em invadir um local e se depararam com o corpo da filha Renata, já sem vida.

Os suspeitos do crime haviam fugido, ficando por 2 anos e meio desaparecidos, até que foram encontrados em Pernambuco, presos pela polícia, mas somente por 5 horas, uma vez que não havia nenhum mandato de prisão realizado contra eles, saindo da delegacia este casal fugiu novamente, por mais 1 ano e só foram encontrados graças as reportagens e mídias sociais sobre o caso, o que fez uma pessoa os reconhecer e denunciar. Angelita sem amparo algum, foi em busca de justiça por sua filha. Foram anos sem respostas, realizando manifestos, protestos, com ajuda da imprensa, em redes sociais, até este casal ter sido encontrado e ser julgado por crime hediondo, pegando pena de 16 anos e 8 meses, em regime fechado no ano de 2019.

Foram anos em que Angelita e sua família conviveram com essa dor, essa perda.

Renata foi vítima da crueldade de indivíduos perversos, que permaneceram muito tempo na sociedade, colocando outras crianças e adolescentes em risco. Durante a investigação foi descoberto que este casal aliciava meninas jovens dando o “Boa Noite Cinderela” e quando as jovens estavam desacordadas eram colocadas no porta malas do carro e levadas a um motel onde outro cúmplice vinha e fotografava as mesmas em posições comprometedoras e usavam estas fotos para chantagear dizendo que iriam colocá-las em redes sociais e até que iriam fazer coisas muito ruins com suas famílias. Fazendo assim as jovens de reféns. Obrigando as mesmas a consumirem drogas e fazerem outras coisas terríveis. Mas com Renata as coisas deram errado, ela passou mal, porque deram uma dose maior e ela reagiu, o que fez o casal a levar para a sua casa e lá eles tentaram limpar as evidencias lavando o corpo da Renata, mas mesmo assim não conseguiram seu intento porque havia sangue num dente dela e pele embaixo das unhas que se provou serem do casal. Renata resistiu, lutou por sua vida.

O casal tinha a intenção de retirar Renata do local, mas como os pais dela ficaram no portão eles não conseguiram. Se tivessem conseguido certamente iriam desaparecer com o corpo. E tamanha foi a crueldade deste casal, que conforme o laudo da autopsia comprovou, Renata ficou em coma, mas viva ainda, 24 horas antes de ser encontrada, ou seja eles poderiam ter pedido socorro e salvo sua vida, mas a deixaram para morrer e fugiram.

Passados 2 anos e meio este casal foi localizado em Pernambuco e preso, mas como não havia sido feito um mandato de prisão, eles ficaram somente 5 horas detidos na delegacia e foram soltos, fugiram novamente por mais 1 ano e só foram localizados graças a uma denuncia anonima feita porque ouve muita divulgação pelos repórteres e mídias sociais com fotos do casal, foram reconhecidos e presos.

Mas o julgamento ocorreu somente em 2019, quando o casal teve uma sentença de 16 anos e 8 meses em regime fechado. O que é pouco pela maldade do crime cometido.

Webdesign Elizabeth Metynoski *Todos os Direitos Reservados*